NOS Primavera Sound | DIA 8 | O cinza transforma-se em cor…

O Porto encheu-se de gente para o festival com mais classe do mundo, segundo consta. Milhares de pessoas juntaram-se no Parque da Cidade para celebrar a música e a amizade no mundo estranho em que vivemos.

Fizeram-se novos amigos, reencontraram-se velhos amigos e vincaram-se relações presentes, tudo graças a uma atmosfera de felicidade pintada com as notas dos artistas em palco.

O primeiro dia do festival, com um cartaz mais curto, mas nem por isso menos relevante – fez-se notar pela qualidade das bandas presentes.

Um dia cinzento e húmido, em que a chuva ameaçava (uma vez mais) benzer o festival, fez-se a festa.

Como aperitivo, tivemos Samuel Úria, a representar a língua portuguesa e a dar um espetáculo que surpreendeu qualquer estrangeiro que por lá passava. “Deu-nos corda”, com um público visivelmente conhecedor do seu reportório, brindou os presentes com notas irreverentes e moda vintage à maneira. Sempre bem disposto e com veia de cómico tímido, mostrou que a música portuguesa está viva e de boa saúde.

Passando para o palco principal, numa espécie de boomerang humano de um lado para outro – tocavam os americanos Cigarettes after Sex – que apesar de um álbum de estúdio próximo do perfeito, provaram que o palco ainda é grande demais e que um set mais intimista seria preferencial. A música é muito boa – mas foi um concerto muito lento para quem estava a ansiar por adrenalina. Conseguiram convencer os fãs dos seus EPs, bem agarrados às grades da primeira fila, mas ficou por aí. Um projecto que para poder valer ao vivo, tem que amadurecer para além da melancolia de estar deitado na cama a pensar sobre a vida.

primavera-1

De volta ao Placo Super Bock contamos com um dos vários projectos do multitalentoso Rodrigo Leão, o homem de todos os estilos, no seu trabalho com Scott Matthew, australiano mas de alma quente que cantou e encanto pelo pôr-do-sol tímido que se punha no Parque da Cidade cantou sobre a vida e suas adversidades. A qualidade musical era incrível e até conseguiram pôr uma quantidade valente de hipsters primaveris  a cantar “I wanna Dance with Somebody” da diva, Whitney Houston.

Chegou a altura de correr para Miguel, sem dúvida o concerto mais sensual do NOS Primavera Sound, se essa categoria existisse. Miguel é o sinónimo do Rhythm and Blues actual, uma reencarnação dos sex symbols dos anos 60 – com uma vibe bem moderna e colorida. É impossível não dançar a ouvir Miguel – e ele ainda há pouco começou. Os fãs estavam lá, sabiam todas as músicas e não foram tímidos nos temas mais explícitos como “Coffee (in the morning)” – apropriados para manhãs mais sensuais.

 

 

miguel

Já não é estranho a Portugal, tendo já tocado no Super Bock Super Rock há uns anos atrás, naquela altura já com uma carreira em ascensão a um ritmo alucinante. Miguel chegou, e encantou o Primavera com o seu RnB poderoso e quente. Não fosse ele o epítomo do flair latino.

Run The Jewels foi aquilo que estava à espera e ainda mais. O placo ATP em 2015 ainda bate forte no meu coração – foi um concerto de arraso ainda estavam eles a dar-se a conhecer ao público português – e este concerto no placo NOS só confirmou que o público está cá para os receber e fazer o “spit” das rimas em uníssono. Dançamos, cantamos e ficamos a ansiar por mais. EL-P e Killer Mike fizeram a festa e deixaram a adrenalina em alta no anfiteatro natural do Parque da Cidade.

Flying Lotus foi outro que tal, mas agora mais calmo, e apropriado para ouvir com uma cerveja na mão, lembrou-nos das noites do LUX no Verão e da magia dos acontecimentos de noites dessas. Um óptimo – mais que bom – aquecimento para os cabeças de cartaz da noite, Justice.

Chegou à altura de Justice fazerem aquilo que fazem melhor, pôr multidões a dançar. Como seria de esperar, todos os êxitos fizeram parte da lista, e o aspeto visual do concerto foi sem dúvida o mais estimulante de todos do dia, não fossem eles veteranos do business.

Vejam com os vossos olhos…

 

O dia chegava ao fim, os nossos pés já latejavam, mas o nosso coração ansiava por amanhã.