Miles Kane @ TMN ao Vivo

Miles Kane @ TMN ao Vivo

featureimage

featureimage

À porta do TMN ao Vivo, a fila começou a crescer depois do almoço. Fãs pacientes e entusiasmados trocavam histórias de como tinham visto o Miles Kane a almoçar e a apanhar sol, como trocaram sorrisos, tiraram

selfies

juntos ou conseguiram um glorioso autógrafo. No passado 8 de Novembro, pelas 21h, a responsabilidade de aquecer o público para um dos nossos

brits 

favoritos, o Sr. Miles Kane, ficou a cargo da já bem conhecida banda de Setúbal, os The Doups. Por motivos alheios ao Side Stage Collective, não foi possível assistirmos à sua performance.

MK-9

MK-9

Pela primeira vez como cabeça de cartaz em Portugal (mas não a primeira vez que actuou no nosso país, não esqueçamos o Optimus Alive’12), Miles Kane entra em palco com um entusiasmo e energia que nos fazia acreditar que a noite ia ser inesquecível.  Envergando preto da cabeça aos pés, com a clássica camisola de gola alta, trouxe-nos “You’re Gonna Get It” para incendiar o palco numa abertura de concerto catártica. A sala não estava com lotação esgotada (who cares, mais espaço para dançar!), mas enganou muito bem, porque rara foi a música que não era acompanhada pelo coro do público. O crescendo de emoções era latente, e as guitarradas, solos, rodopios e pontapés do grande Miles Kane estavam a ser acompanhados por uma magnífica banda de apoio (George Moran acompanhava com guitarra e backing vocals, escondido por trás das teclas estava Ben Parsons, e para mim, os grandes da noite, Jay Sharrock na bateria e Phill Anderson a dominar no baixo). A meio do

set

que tinha para nos apresentar, Miles pede-nos para cantarmos alternadamente com ele “you’re pretty good looking but i’m looking for a way out”, que se transformou numa troca de versos muito intensa entre público/Miles. Esta música, “Give it up", até teve direito a versão com um excerto de “Sympathy For The Devil” dos Rolling Stones, com todo o poder que se possa imaginar. A sequência musical que Miles nos trouxe naquela noite foi muito equilibrada no que toca aos dois álbuns que tem lançados (coincidentemente ou não, tocou exactamente 8 músicas de cada álbum, 50/50!).

MK-21

MK-21

A primeira parte do concerto termina com “Don’t Forget Who You Are”, acompanhada religiosamente em coro pelo público que não poupou em saltos e passos de dança electrizantes . “La la la la la la la la la don’t forgeeeeet who you aaaaare”, cantado pelo público, acompanhou a saída dos músicos de palco e foi cantado até à exaustão até Miles regressar. Sozinho e numa posição mais vulnerável, Miles Kane toca “Colour of Trap” apenas com a sua guitarra acústica. Partilhamos com o músico um momento de intimidade, que foi enaltecido com a última música da noite, quando nos pediu “Come Closer to me now, this is the last song of the night”. Tão perto estava ele do público, que a guitarra que dançou por todo o lado (até em cima da sua cabeça), quase deixou de lhe pertencer para passar a ser devorada pelo público.

MK-15

MK-15

Miles Kane trará sempre consigo a sombra dos The Rascals e dos The Last Shadow Puppets (ele e o Alex Turner têm o

bromance

mais amoroso da história da música, vá, Josh Homme, não fiques invejoso que tu tens o Dave Grohl). No entanto, ele representa o

rock’n’roll

na sua essência mais clássica e com letras que nos derretem (L, O, V, E, I’m talking about LOVE!). Alguém do público atreveu-se a perguntar-lhe “Why are you so fucking cool?”. A resposta é obvia, “I’m just a rockstar” diz Miles Kane. É isso, mas por trás do rockstar está um guitarrista notável, com um humor particular (não fosse ele inglês, não é?) e boa disposição, um verdadeiro monstro do palco. Obrigada Miles, por uma das melhores noites de música ao vivo dos últimos meses. texto e fotos Ana Viotti

Editors + Balthazar @ Coliseu dos Recreios

Editors + Balthazar @ Coliseu dos Recreios

Cansei de Ser Sexy + Anarchicks @ TMN ao Vivo